sexta-feira, 19 de agosto de 2011

Feriado de fato




Eis-me aqui outra vez




Nesta manhã de porta fechadas




Cheia de algo mais




São estas calçadas vazias




Ausente de pisares




Escuto melodias




Suas sacadas de ferro fundido




Música de suas bigornas




Escondida nos meus versos




O fado de ontem




O fado de hoje?




Não faz mal




Alegra-me de fato o feriado




De voltar a pisar




Estas pedras cantadas




Deste solo português.








(Amália Grimaldi, Lisboa julho 2011)

3 comentários:

  1. Amiga,ás vezes dá um feriado na alma... bjs

    ResponderExcluir
  2. odysseia


    olisipo ( allis ubbo ):
    púrpura tíria phoenicia

    kina’ahu - “ canaã “
    kinahu - “ carmesim “

    olissipo: hellas / graecia
    ulysses certa vez
    como um odisseu
    a fez: odysseia

    “ ibi oppidum olisipone ulixi conditum:
    ibi tagus flumen “ (1)

    olissipona ou como ptolomeu
    disse: oliosipon

    roma : lusitania
    pax romana
    - felicitas julia -

    visigodos / westgoten
    chamaram-na:
    ulishbona

    mouros / imazighen
    dominaram-na:
    al-luxbuna
    ou
    al-ushbuna

    apelidada de “ kudyia ”

    al-idrisi (2) cantava:
    “ o mar lança palhetas de ouro sobre a praia “

    - de qualquer maneira
    teu nome é:

    lisboa

    “ uma noiva em sua alcova nupcial “
    - al-maghribi (3)

    teu corpo
    se esparrama
    em nostalgia
    nas areias douradas
    noite e dia

    ali onde o tejo
    porto seguro de naus
    e caravelas
    de ninfas ibéricas
    beija o mar

    esta cidade bela
    do fado que deságua
    dentro em mim
    lodosas e úmidas
    ilhotas salinas
    a bordejar num mar de palha
    das sete colinas

    cidade íngreme
    do bairro alto
    da baixa do paço
    do chiado do rossio
    da alfama de belém
    dos aventureiros
    que partiram para o além
    muito além do além-mar

    lisboa: flor-de-lis
    sempre te quis
    à toa ao meu redor
    onde o remador
    se fez odisseu
    numa épica
    odisséia


    o ocaso de mim
    entre ramos de ciprestes
    o alvorecer de ti
    entre gotas de orvalho

    assim te levo
    ao mar tenebroso
    onde o vento
    nos (a)guarda
    onde há o sol
    que (t)arda


    www.escarceunario.blogspot.com





    Notas:


    1. Segundo a lenda de Estrabão ( 63 D.C / 24 D.C ), historiador, geógrafo e filósofo grego, Ulisses teria fundado uma cidade na penísula ibérica, que seria Lisboa. Do latim: “ Ibi oppidum olisipone ulixi conditum: ibi tagus flumen “, que significa: “ ulisses fundou lisboa às margens do rio tejo...”

    2. Abu Abd Allah Muhammad Al-Idrisi, ( 1110 – 1165 ) cartógrafo medieval árabe que escreveu sobre a fundação de lisboa...

    3. Ali Ibn Musa Ibn Said Al-Maghribi, ( 1214 – 1286 ) poeta, geógrafo e gramático arábe, que também escreveu sobre a história de lisboa...

    ResponderExcluir
  3. Olá Amália,

    Faço um convite para você conhecer e participar do meu blog como leitora, caso seja do seu agrado.
    Trato sobre assuntos diversos- alguns poemas, contos, análises de cinema, esportes, etc.

    Bom, caso se interesse:

    http://reflexoesdo719r.blogspot.com/



    Obrigado pela atenção,


    Fabio Baptista.

    ResponderExcluir